Missão

HISTÓRICO  |  MISSÃO | LIDERANÇA

I – INTRODUÇÃO

Fazer Missão é levar o evangelho do Senhor Jesus Cristo em sua totalidade para o suprimento e resgate do ser humano em sua totalidade no Brasil e no mundo.

  1. A natureza da missão: é a comunicação de boas novas de Deus em Cristo.
  2. O propósito da missão : é dar aos indivíduos e o povos uma válida oportunidade de ouvir do amor de Deus pôr eles.
  3. O alvo da missão: é introduzir homens e mulheres de todas as raças, povos e etnias na comunidade dos remidos do Senhor.

A IPB como igreja em missões, através dos seus órgãos criados e aprovados pelo SC/IPB,JMN,PMC,CNE e APMT, cumpre o seu objetivo de fazer missão e cabe a nós rediscutir os objetivos dentro de uma filosofia de missões.

II – PRESSUPOSTO BÁSICO

A Filosofia de missão da IPB, envolvendo esses quatro órgãos acima referidos reafirma os seguintes pressupostos:

  1. O evangelho é a mensagem a ser pregada no idioma ou na língua de cada povo e usando os versículos de comunicação adequados ao público alvo, sem alterar o conteúdo do evangelho e nem sofrer detrimento na comunicação;
  2. É dever do cristão que professa a fé reformada, pregar o evangelho e viver uma vida coerente com a fé que professa;
  3. Os recursos da IPB na área de missão deve priorizar e assegurar, a médio e longo prazo e dar inicio a novos projetos;
  4. Os órgãos da IPB envolvidos em missões devem trabalhar em harmonia, respeitadas suas respectivas vocações missionárias;
  5. Enviar todos os esforços para o trabalho missionários adquiram sua automanutenção, autogoverno e auto Propagação; Desenvolver campanhas permanentes de divulgação do trabalho missionário em todas as igrejas da IPB,concientizando-as de que elas formam a base eclesial para a realização da missão no mundo, despertando-as para a obra missionária e motivando-as a participar financeiramente da obra;
  6. Os Órgãos Missionários terão liberdade de criar programas para a captação de recursos para manter os seus projetos aprovados;

III – A AÇÃO MISSIONÁRIA E AS ÁREAS DE ATUAÇÃO: JMN

  1. Plantar igrejas em campos pioneiros na Brasil e transferir para os Presbitérios em momento oportuno;
  2. Dar aos missionários, sempre que possível o status de reconhecimento dos órgãos públicos;
  3. Esforçar-se para garantir o seguro de vida, saúde e seguridade;
  4. Recrutar missionários oriundos da IPB, não enviar missionários que não sejam da IPB e não estabelecer acordo de sustento missionários de outras denominação;
  5. Estabelecer padrões de sustento missionário, baseados na realidade de cada região;

EXTRATO DO REGIMENTO INTERNO DA JMN

A Junta de Missões Nacionais é uma Comissão da Igreja Presbiteriana do Brasil, composta pôr (9) nove membros efetivos , sendo (6) seis Ministros e (3) três Presbíteros regentes, e (3) três suplentes, sendo (2) dois Ministros e (1) um presbítero regente, eleitos pelo Supremo Concilio da Igreja Presbiteriana do Brasil. A Junta de Missões Nacionais tem pôr finalidade: plantar igrejas em campos pioneiros no Brasil e transferir para os Presbitérios em momento próprio; Dar ao missionário, sempre que possível, o status de reconhecimento dos órgãos públicos; Esforçar-se para garantir o seguro de vida, saúde e seguridade; Recrutar missionários oriundos da IPB, não enviar missionários que não sejam da IPB e não estabelecer acordo de sustento de missionário de outra denominação; Estabelecer padrões de sustento missionário, baseados na realidade de cada região; Para cumprimento de suas finalidades, a JMN poderá, se convier, trabalhar em parceria com os Presbitérios da IPB.

DO FUNCIONAMENTO

A Junta de Missões Nacionais reunir-se-á ordinariamente uma vez pôr ano para: Avaliação dos trabalhos executados desde a última reunião; Aprovação dos relatórios das atividades do período a ser encaminhado à Comissão Executiva de Supremo Concílio; Planejar missionário a ser enviado ao Comitê Gestor; Encaminhar da proposta orçamentaria para o ano seguinte ao Comitê Gestor; Eleição dos membros da Diretoria Presidente e Secretário de Atas, nos anos pares com mandato de (2) dois anos; Contratação dos membros da Secretária Executiva, se for o caso; O Secretário Executivo poderá ser convidado para as reuniões da Junta de Missões Nacionais, sem direito a voto; A junta de Missões Nacionais nomeará uma comissão examinadora composta de (3) três membros, mais o Secretário Executivo, para exame de candidatos aos projetos missionários; A Junta de Missões Nacionais reunir-se-à extraordinariamente sempre que necessário pôr convocação de seu presidente; a pedido de (4) quatro membros, pôr determinação do Supremo Concílio ou sua Comissão Executiva; O quorum de funcionamento será de (5) cinco de seus membros.

DA SECRETÁRIA EXECUTIVA

A Secretária Executiva será composta do Secretário e Funcionários contratados; Se algum dos contratados for membro da Junta de Missões Nacionais, este deverá licenciar-se enquanto durar a função administrativa para que fora contratado; O Secretário Executivo tem as seguintes atribuições: Desempenhar as atividades que forem atribuídas pela Junta de Missões Nacionais; Contratar missionários ouvida a comissão de exames; Dispensar missionários, ouvida a Diretoria da MN; Indicar e sugerir os novos projetos de plantação ou revitalização de igrejas a serem adotados pela Junta de Missões Nacionais; Supervisionar e orientar os trabalhos dos projetos missionários; Elaborar propostas de trabalho e o orçamento para o ano seguinte; Elaborar o relatório da JMN a ser encaminhado à CE/IPB, após aprovação da Diretoria. A Junta de Missões Nacionais manterá conta bancária em nome da IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL – Junta de Missões Nacionais, com pares de assinatura.

DOS MISSIONÁRIOS

Os missionários da Junta de Missões Nacionais são de (2) duas categorias: I ) – pastores da Igreja Presbiteriana do Brasil; II ) – evangelista: aquele que concluirá curso especifico de formação em instituição da Igreja Presbiteriana do Brasil ( Seminário ou Institutos Bíblicos da IPB ); A Secretaria Executiva da Junta de Missões Nacionais manterá cadastro permanente de candidatos a missionários.; O tempo máximo para que um projeto missionário se torne auto-sustentável ( Congregação consolidada ou Igreja organizada ) deve ser de (5) cinco anos; A JMN poderá, excepcionalmente, estender o prazo; Valor de sustentação e viabilização financeira dos missionários nos projetos até a sua conclusão) – O sustento missionário para um Pastor é de ( 5 ) cinco mínimo ( na época do orçamento ) mensais. Reajustáveis anualmente pelo orçamento da JNM ; O sustento de um Evangelista é de (3) três salários mínimos ( na época do orçamento ) mensais. Reajustáveis anualmente pelo orçamento da JMN .A questão salarial sempre em conta a regionalização ; Os Missionários, mensalmente, através de relatórios informarão aos Supervisores e à Secretaria Executiva da JMN o andamento dos trabalhos; Os missionários ao serem admitidos no trabalho receberão cópia do Regimento Interno da J M N e assinarão termo de responsabilidade quanto ao seu cumprimento.; Os missionários não poderão emprestar ou permitir o uso dos bens móveis e imóveis da IPB( veículos, casas, terrenos, móveis, etc.) sob sua responsabilidade, a pessoas não pertencentes a JMN, sem expressa autorização desta.

DO ACOMPANHAMENTO DOS PROJETOS

Os Projetos serão avaliados pela JMN; serão avaliados o desempenho dos missionários nos projetos; Os missionários devem iniciar e consolidar os projetos de cinco anos.